Metodologia Big Five: conheça sua origem e suas 5 dimensões

Metodologia Big Five: conheça sua origem e suas 5 dimensões

Você conhece a metodologia Big Five? Sabe a importância que ele tem para o seu RH? Se conhece, e quer aprofundar ainda mais, ou ainda não conhece, e quer aprender sobre o assunto, agora é a hora.

O que é e como surgiu a metodologia Big Five?

O Big Five, também conhecido como Modelo dos Cinco Grandes Fatores, surgiu através dos estudos da Teoria dos Traços de Personalidade, no qual descreve as dimensões humanas básicas. Um dos pioneiros no desenvolvimento desse modelo foi McDougall, que na década de 30 sugeriu que a análise da linguagem de uma população ajudaria a entender a sua personalidade, propondo um modelo na qual ela poderia ser analisada a partir de cinco fatores independentes, que foram denominados como: intelecto, caráter, temperamento, disposição e humor. Assim começou a trajetória de desenvolvimento da metodologia Big Five.

As primeiras análises

Nessa mesma época, na Alemanha, Baumgarten sugeria uma análise da linguagem para entender os traços da personalidade e isso teve uma grande influência sobre Allport. Allport em conjunto com Odbert, examinou cerca de 400.000 mil palavras do Webster’s New International Dictionary, derivando 4.500 descritores de traços de personalidade, estudo que muito influenciou Cattell em suas publicações na década de 40. Cattel e Eysenck dominavam a literatura dessa época com os principais modelos obtidos pela análise fatorial.

Os cinco grandes fatores

Já em Baltimore (Maryland), Robert McCrae e Paul Costa, no centro de pesquisas de Gerontologia do National Institute of Health, iniciaram um extensivo programa de pesquisas que identificou os chamados cinco grandes fatores (Big Five):

  1. abertura a novas experiências
  2. conscienciosidade
  3. extroversão
  4. neuroticismo
  5. simpatia

Dessa forma que surgiu a famosa teoria da personalidade.

Vamos entender um pouquinho mais sobre cada um desses fatores?

Preparamos uma breve descrição sobre cada um deles.

1 – Abertura para experiências

É configurada pelo interesse por novas experiências emocionais, pela aventura, por ideias incomuns, pela arte, pelo amplo uso da imaginação e alto grau de curiosidade e por uma grande variedade de experiências novas. Essas pessoas, geralmente, são imaginativas, criativas, curiosas, apreciadoras da arte e sensíveis à beleza. Normalmente elas tendem a levar em conta os seus sentimentos e a terem opiniões não convencionais.

Já as pessoas que possuem uma menor abertura para experiências tendem a ter interesses mais convencionais e tradicionais. Elas preferem o simples, claro e óbvio ao complexo, ambíguo e sutil, e podem ver as artes e as ciências com suspeitas ou achá-las desinteressantes. São menos propensas a correr riscos.

2 – Conscienciosidade (ou escrupulosidade)

É a tendência para mostrar autodisciplina, orientação para os deveres e para atingir os objetivos. Este traço mostra uma preferência pelo comportamento planejado em vez do espontâneo. Influencia a maneira como controlamos e dirigimos os nossos impulsos. Pessoas com esse traço forte são mais rígidas contra qualquer eventual quebra de valores.

3 – Extroversão

É o traço pessoal caracterizado por emoções positivas e pela tendência para procurar estímulos, buscar a companhia das outras pessoas e pelo profundo envolvimento com o mundo exterior. Os extrovertidos usualmente são aquelas pessoas cheias de energia, entusiastas e voltadas para a ação. Essas pessoas, quando em grupos, tendem a ser falantes, assertivas e a chamar as atenções para elas. Por outro lado, os introvertidos não têm a exuberância social e os níveis de atividade dos extrovertidos. Eles tendem a parecer calmos, ponderados e menos envolvidos com o mundo social. Os introvertidos necessitam de menos estimulação e de mais tempo sozinhos do que os extrovertidos, mas isso não deve ser confundido com timidez ou depressão. Eles podem ser bastante ativos e enérgicos em outros campos que não o do relacionamento social.

4 – Neuroticismo

É a tendência para experienciar emoções negativas, como raiva, ansiedade ou depressão, as quais tendem a persistir por períodos longos. Por vezes, é chamado de instabilidade emocional. Aqueles com um elevado grau de neuroticismo são emocionalmente reativos e vulneráveis ao estresse. São predispostos a interpretar situações normais como sendo ameaçadoras, e pequenas frustrações como dificuldades sem esperança. Em razão disso, têm uma capacidade diminuída para pensar claramente, tomar decisões e lidar de forma apropriada com o estresse. No outro extremo da escala, indivíduos com baixo neuroticismo são mais difíceis de serem perturbados e são menos reativos emocionalmente. Eles tendem a ser calmos, emocionalmente estáveis e livres de sentimentos negativos persistentes; no entanto, a escassez de sentimentos negativos não significa necessariamente que estes indivíduos experimentem muitos sentimentos positivos.

5 – Agradabilidade (simpatia)

É a tendência a ser compassivo e cooperante em vez de suspicaz (suspeitoso) e antagonista face aos outros. Este traço reflete diferenças individuais na preocupação com a harmonia social. Indivíduos “amáveis” valorizam a boa relação com os outros. Eles são geralmente respeitosos, amigáveis, generosos, prestativos e dispostos a fazer compromissos. Pessoas “amigáveis” têm também uma visão otimista da natureza humana. Elas acreditam que as pessoas são basicamente honestas, decentes e dignas de confiança. Indivíduos “não-amigáveis” põem o interesse próprio acima da boa relação com os outros. Eles normalmente não se preocupam com o bem-estar dos outros e, por vezes, o seu ceticismo acerca dos motivos dos outros os faz desconfiados e pouco cooperativos.

A metodologia mais utilizada no mundo

Além de saber aspectos técnicos de uma metodologia, é sempre bom sabermos também sua origem teórica e de pesquisa. Principalmente quando se trata de uma metodologia que tem ganhado cada vez mais espaço entre estudiosos e profissionais da área de gestão de pessoas. O Big Five é, atualmente, a metodologia mais utilizada no mundo (vejam a imagem abaixo).

Metodologia Big Five: conheça sua origem e suas 5 dimensões

Fonte: Dados do Google Trends que mostram que o Big Five é a metodologia mais pesquisada/buscas no mundo – em comparação com DISC e PI.

Para conhecer melhor, entre em contato conosco ou visite nossa página no LinkedIn.

Metodologia Big Five: conheça sua origem e suas 5 dimensões

Daniela Martins | Especialista em Vendas (Closer) | AssessFirst Brasil